Centro de Estudos em Mediação Familiar Sistêmica®
49ª Edição do Meeting Sistêmico

PRÁTICAS SISTÊMICAS PÓS–MODERNAS – MEDIAÇÃO FAMILIAR
                          
As transformações paradigmáticas que estamos vivenciando encontram no construtivismo um campo de reflexão epistemológica e de geração de novas práticas sistêmicas.
O pensamento pós-moderno substitui a concepção de uma realidade independente do observador pela noção de que é a linguagem que de fato constitui as estruturas de uma realidade autorreferenciada.
Com o pensamento sistêmico o mundo passa a ser pensado e descrito em termos de sistemas – conjuntos de elementos em interação. O foco passa a estar nas relações, não só as relações entre os elementos do sistema e deste com seu meio, mas também as relações entre o sistema e aquele que o descreve e trabalha com ele.
Pensar sistemicamente implica reconhecer o sujeito em seu contexto, de que os fatos não são previsíveis e de que o profissional faz parte do sistema no qual intervém/estuda. 
Tendo o profissional ultrapassado os pressupostos da ciência tradicional e assumido uma visão sistêmica, ele procurará naturalmente realizar práticas sistêmicas, não porque a Ciência o esteja exigindo, mas sim, como implicação de suas novas crenças, de sua nova epistemologia ou visão de mundo sistêmica. (Vasconcellos, 2012)
A mediação familiar sistêmica® é uma metodologia para prática sistêmica, fundamentada em conceitos teóricos sistêmicos, consistente com o Pensamento Sistêmico Novo-paradigmático.
A mediação familiar sistêmica® é um método de solução de conflitos com base nos paradigmas do pensamento sistêmico, foca nas relações e no contexto em que elas estão inseridas, assentada em pilares sistêmicos como a interdependência, a mútua influência, e a circularidade ou retroalimentação, com fins de propiciar às partes a possibilidade de coconstrução de novas realidades e um resultado mutuamente satisfatório.
A mediação familiar sistêmica® trabalha com uma visão sistêmica do conflito, reconhecendo a complexidade das interrelações, a instabilidade em face dos processos de mudanças e transformações e a inevitável relação entre o observador e o sistema que se observa.
Para a visão sistêmica a situação levada a mesa de mediação não consiste em fato isolado, fazendo parte de uma cadeia de acontecimentos, portanto, a intervenção do mediador repercutirá sobre as relações futuras das pessoas envolvidas direta ou indiretamente na mediação, e o resultado poderá contribuir para a coconstrução de novas realidades, contribuindo para relacionamentos mais saudáveis e harmônicos dentro do Sistema.
 
 Professora: DALVA LUZ
 Data: 13 de Junho –
Horário: às 19h30
Aula ABERTA – ON LINE – GRATUITA

Abraços,
Dalva Luz

 

Inscreva-se agora!